SINPROJA realiza Assembleia Geral para apresentar resultados alcançados na primeira rodada de negociação com o governo municipal

O SINPROJA realizou, na tarde desta quarta-feira (4), no Clube Ferroviário do Jaboatão Centro, uma grande Assembleia Geral, com os Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação do Jaboatão dos Guararapes, para apresentar, demandas já discutidas com o governo municipal, durante a primeira rodada de negociação, realizada em 16 de março.

 

No próximo dia 13 de abril, o SINPROJA volta a sentar com o governo municipal, para dar continuidade à rodada de negociação e receber do governo a proposta do ajuste financeiro para a Campanha Salarial Educacional 2018. A categoria luta por reajuste salarial de 10,46% na carreira, retroativo a janeiro deste ano e extensivo as gratificações para todos os Trabalhadores e Trabalhadores em Educação do município.

 

“Iniciaremos a partir de amanhã uma intensificação nos locais de trabalho, para discutir com a categoria as propostas para o embate com o governo que precisa apresentar na próxima rodada de negociação, um reajuste satisfatório aos nossos interesses. Continuaremos firmes na luta pela garantia dos direitos da nossa categoria”, ressaltou o presidente do SINPROJA, Ronildo Oliveira. “É preciso iniciar um trabalho imediato em nossas comunidades, fortalecendo a luta da classe trabalhadora, para que possamos barrar o golpe instaurado em nosso País e lutar cada vez mais pelos nossos direitos como cidadão brasileiro”, destacou a vice-presidente do SINPROJA, Eugênia Lemos.

 

Dentre as pautas apresentadas e debatidas com o governo durante a primeira rodada de negociação, está o abono de faltas, sem obrigação de compensação, para participação em atividades realizadas pelo sindicato (assembléias, plenárias e congressos); participação também em ações promovidas por outros sindicatos, sem nenhum impedimento por parte da prefeitura, que acatou, mas exigiu comunicação prévia, de no mínimo 15 dias, para que seja providenciada a devida substituição no decorrer da atividade.

 

A Prefeitura também se comprometeu em ampliar a discussão da realização de seleção interna para Trabalhadores e Trabalhadoras, tanto na Secretaria Municipal de Educação, quanto nas escolas da rede municipal, além de fazer levantamento de débitos trabalhistas, com profissionais da educação, no valor de 3 milhões de reais, e apresentar proposta de como efetuar a quitação dos devidos valores. Durante a primeira rodada também foi discutida, criação de lei municipal, para que Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação, que possuam dois vínculos empregatícios, não passem por estado probatório.

 

Durante a assembléia, o presidente da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), Heleno Araújo, apresentou análise da conjuntura da política nacional que, desde o golpe aplicado em 2016, vem retirando direitos da classe trabalhadora, com o congelamento dos gastos públicos para os principais setores pelos próximos 20 anos, a aprovação da Reforma Trabalhista e do Ensino Médio e “que graças à força popular, não conseguiram aprovar a Reforma da Previdência”, declarou.

 

“Precisamos discutir e renovar a nossa política partidária local e nacional e sempre nos posicionar. São esses que estão no poder e foram eleitos com os nossos votos, que estão votando a favor da retirada de direitos e contra a classe trabalhadora desse País. Não é admissível que o trabalhador e trabalhadora tivessem que contribuir por 15 anos a mais para garantir sua aposentadoria integral”, concluiu.

 

Compartilhe