Reposição de aulas condicionada ao reajuste de salários

Os/as trabalhadores/as em educação do município do Jaboatão dos Guararapes deliberaram, em assembleia, pelo término da greve, mediante acordo firmado e documentado, entre o SINPROJA e o Governo Municipal, nos seguintes termos: reajuste de 2,84% para o salário de junho, com retroativo ao mês de abril (data base), mais 1,16% a ser pago no mês de setembro, totalizando 4% de reajuste para toda a categoria em 2018. Cabe destacar que, embora o compromisso de reposição dos dias letivos seja com os estudantes, fez parte de negociação, na qual foi também firmado que, cada unidade escolar construiria seu calendário, de forma democrática, e ninguém seria penalizado pela participação legítima no movimento paredista.

 

Para indignação da educação jaboatonense, o governo Anderson Ferreira não cumpriu o acordo estabelecido, não enviando à Câmara Municipal, o Projeto de Lei para ser votado e aprovado em tempo hábil, ficando evidente a falta de vontade política da Gestão Municipal.

 

Diante do não cumprimento de parte do acordo que cabia ao governo, o SINPROJA solicitou explicações e exigiu providências. Foi apresentada, inclusive, como alternativa para que o governo ainda pudesse honrar o compromisso assumido com a educação municipal, que o pagamento fosse efetuado até o quinto dia útil do mês em curso, conforme garante a legislação. O que não aconteceu.

 

Assim, a Direção Sindical posicionou-se pela suspensão da reposição dos dias letivos, a qual está condicionada ao pagamento do reajuste e retroativo. Reiteramos que a categoria não deve efetuar a reposição dos dias letivos até que o pagamento do reajuste e retroativo aconteçam.

 

O documento oficializado pelo governo, estabelece o mês de novembro como prazo da referida reposição. Quando o pagamento negociado for efetuado, provavelmente no contracheque do mês de julho, as unidades escolares farão uma nova proposta de calendário, a qual será novamente discutida de forma democrática. Não deverá haver descontos e sim uma renegociação do calendário de reposição.

 

Reafirmamos que o SINPROJA tem como princípio o respeito às instituições, por isso, sempre oficializa as posições tomadas e espera, também, ser respeitado, como instituição honrada e idônea, que está sempre em defesa de uma educação pública, gratuita, laica, inclusiva, democrática e emancipatória.

 

SINPROJA: 25 Anos de Luta em Defesa da Educação Jaboatonense

Compartilhe