Os/as Trabalhadores/as em Educação de Jaboatão vão fazer greve?

Desde o mês de fevereiro que estamos em Campanha Salarial Educacional (CSE). Enviamos ofícios, participamos de reuniões improdutivas, assembleias, atos públicos, divulgamos textos e vídeos sobre o tema, debatemos o assunto nos locais de trabalho e, até o momento, o governo Anderson Ferreira não apresentou nenhuma proposta de reajuste salarial.

 

De forma intransigente, o Conselho de Politicas de Pessoal(CPP), indicado através de Decreto Municipal para tratar com o SINPROJA as questões referentes a CSE, silenciou. A reunião que, segundo o CPP, aconteceria a apresentação de uma proposta, foi desmarcada, não havendo novo agendamento, apesar da nossa prontidão para tal. O silêncio por parte do governo é absoluto.

 

Em nossas mobilizações, encontramos um número grande de terceirizados, aparentemente acima do quantitativo permitido pela legislação. Essa forma de contratação parece ser um artificio de campanha eleitoral, já que são funções ocupadas por pessoas indicadas por vereadores da base aliada do governo. Em breve, solicitaremos ao Ministério Público que avalie o caso.

 

Outro ponto que será necessário o acompanhamento e averiguação do Ministério Público é a Frequência Facial. O SINPROJA tem verificado que os valores financeiros anunciados para esse projeto são altíssimos, embora os equipamentos estejam instalados em poucas escolas. Em algumas delas, nem funcionam e nas outras, o projeto está incompleto, pois não foi disponibilizado o aplicativo que permitiria às famílias o acesso a informação em caso de ausência dos/as filhos/as. O nosso levantamento aponta para mais um caso de dinheiro público não utilizado da forma como foi propagandeado.

 

Escolas com estruturas precárias, condições de trabalho deficitário, assessores que ameaçam a categoria, orientando gestores/as a descumprirem o Estatuto do Magistério, são problemas crônicos da educação em Jaboatão, refletindo o autoritarismo e a intransigência de quem é aliado do Governo Ilegítimo de Michel Temer e que tenta implantar a política golpista de retirada de direitos e de retrocessos.

 

Defendemos uma escola democrática, prezamos o respeito. Nossa primeira e maior alternativa é sempre o diálogo, mas não nos refutaremos em procurar outros caminhos para o embate. A greve é a alternativa extrema e não é o nosso desejo que ela aconteça, pois traz prejuízos para a comunidade escolar, mas, se utilizada, será por responsabilidade do governo que não respeita a educação.

 

Por tudo isso, o SINPROJA convoca os/as trabalhadores/as em educação para a grande assembleia do dia 16/05, às 8h30, na Escola Municipal Antônio Januário, ocasião em que iremos fazer avaliações e tirar encaminhamentos da CSE 2018. Ressaltamos que as assembleias são espaços de debate democrático e de construção da luta e resistência. Juntos/as, de cabeça erguida, chegaremos à vitória, pois essa categoria sempre soube ir em busca de seus objetivos e, agora, mais do que nunca, precisa estar pronta para o confronto, pacífico, mas contundente. Vamos à luta!

 

SINPROJA: 25 ANOS DE LUTA, EM DEFESA DA EDUCAÇÃO JABOATONENSE

Compartilhe