Luta coletiva, com unidade e engajamento

Trabalhadoras e trabalhadores em educação do Município do Jaboatão dos Guararapes (181 professores/as, 63 do Grupo Ocupacional de Apoio Administrativo ao Magistério-GOAAM, dentre eles/elas 55 aposentados/as) e 22 convidados/as debateram sobre Educação, Sindicalismo e Política, durante os três dias do IX Congresso do SINPROJA. O evento, realizado entre os dias 12 e 14 de setembro, no Hotel Golden Beach, em Piedade/JG, tratou dos desafios apresentados na atual conjuntura, sobre perdas de direitos e ameaças à Democracia, buscando a construção de possíveis caminhos de luta.

 

Na abertura, o Coral do SINPROJA emocionou os/as participantes, ao cantar a música “Para não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré. Entidades sindicais e educacionais prestigiaram o evento, cuja Conferência Magna ficou sob a responsabilidade do professor Flávio Brayner, pós-doutor em Ciências da Educação pela Universidade de Paris, aposentado da UFPE, que fez um resgate histórico da luta por Educação pública de qualidade social e trouxe à tona os limites enfrentados pelos trabalhadores e trabalhadoras da área.

O filósofo e ex-presidente da CUT, Jairo Cabral, fez a análise da Conjuntura Internacional e Nacional, chamando atenção para a necessidade da união da classe trabalhadora, no sentido de reverter o quadro de golpe e de ataques à democracia, ocorridos principalmente no Brasil. O ex-secretário do Trabalho no governo Dilma e atual vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados, Informática e Tecnologia da Informação de Pernambuco – SINDPD-PE, Messias Melo, ressaltou a trajetória do movimento sindical no Brasil, apontando os obstáculos a serem superados. De acordo com Melo, o sindicalismo precisa se reinventar diante do cenário das novas relações de trabalho, consolidadas na Reforma Trabalhista, na Lei de Terceirizações e na Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos públicos, na saúde e educação, por 20 anos.

O Painel Educacional foi apresentado pela presidenta da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, a Deputada Teresa Leitão e pelo presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação-CNTE, professor Heleno Araújo. A dupla traçou um panorama geral dos ataques à Educação brasileira nos últimos 2 anos, em consequência do golpe jurídico-parlamentar-midiático, com destaque à necessidade de combate à Lei da Mordaça.“…este projeto pretende estabelecer uma escola com um só partido, escola do pensamento único, escola sem crítica, sem debate sobre a realidade”, explicou Teresa Leitão.

As questões do racismo, homofobia, gordofobia e demais preconceitos, ocorridos dentro e fora da escola, foram abordados pela professora, orientadora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades da UFRPE/FUNDAJ, Denise Botelho. Partindo da sua própria vivência como estudante, professora e pesquisadora, Denise alertou à plenária, sobre os inúmeros problemas que o bullyng acarreta ao desenvolvimento da criança. Atos de violência física ou psicológica praticados pelos colegas e, muitas vezes, pelos próprios professores/as, causam dor e angústia nas crianças, com consequências que marcam por toda a vida.

Após ricos momentos de palestras e debates, a categoria analisou a Tese construída com a finalidade de nortear os caminhos do SINPROJA pelos próximos anos, bem como, deliberou sobre o Plano de Lutas da entidade. Foi consenso nas falas a necessidade de interferência na política, pois a Educação e o Sindicalismo estão intrinsecamente ligados a ela, sendo imprescindível atuarmos, para que nestas eleições de outubro possamos mudar o quadro político nacional e estadual, objetivando eleger pessoas de fato comprometidas com a classe trabalhadora. Só assim, será possível reverter o panorama de ataques e retrocessos instalados no Brasil pós-golpe.

Para finalizar o evento de abundante conteúdo educacional, sindical e político, a categoria se confraternizou, certa de que as energias e o engajamento estavam renovados. O SINPROJA agradece a todos/as que participaram. O sucesso só acontece quando há unidade nas ações. Juntos/as, somos fortes!

SINPROJA: 25 ANOS DE LUTA, EM DEFESA DA EDUCAÇÃO JABOATONENSE

Compartilhe