É passada a hora de sair de quem nunca deveria ter entrado

Foto: Adriano Machado

A eleição de Jair Bolsonaro ao posto mais alto da política nacional foi um acidente no plano das elites política e econômica do país, que conspiraram contra a democracia, em 2016, e que agora pagam um preço alto pela escalada do autoritarismo intrínseco à personalidade do ex-capitão insubordinado e cada vez mais inconsequente.

A demonização da política como meio de agregação das diferenças e de promoção da cidadania – processo que contou com a contribuição decisiva dos barões da mídia e de grande parte dos agentes políticos e do Poder Judiciário, hoje perseguidos mais pelo temor do que fizeram no passado do que propriamente pelo que têm feito
contra o mandatário-mor da República – continua a alimentar a fragmentação das instituições e a impulsionar o aprofundamento do golpe contra a democracia. O bolsonarismo (seguidores e o próprio chefe do Executivo) continua atacando insanamente a política, agora para invocar outro golpe militar!

Sabemos que somente a farsa tem o poder de reeditar fatos históricos, sobretudo os desastrosos! Mas o bolsonarismo é a farsa encarnada em pseudo valores que desvirtuam a ética sociopolítica, empobrecem as mentes das “famílias do bem”, insuflam a intolerância e o ódio, tudo com o objetivo de impor o autoritarismo e a covardia típicos das milícias que sustentam a retórica bolsonarista frente a ampla maioria da sociedade.

A atual crise sanitária, que alguns irresponsáveis e oportunistas insistem em ignorar e que sucede os atropelos econômicos e as políticas antissociais, antiambientais, antitrabalhistas e anti-humanitárias do (des)governo Bolsonaro, apenas tem comprovado a incapacidade do atual chefe de Estado em governar com equilíbrio e
responsabilidade os rumos da Nação e dos mais de 210 milhões de brasileiros/as.

Há tempos que o país está à deriva em sua gestão pública e agora a ameaça é ainda maior. Vidas humanas estão em perigo com as sucessivas investidas do presidente da República contra a política de isolamento social recomendada pela Organização Mundial de Saúde, a qual vinha sendo aplicada com certo êxito pela maior parte
dos governos estaduais, municipais e distrital (com a chancela do Supremo Tribunal Federal). E para piorar, a democracia voltou a ser atacada com o criminoso apoio explícito de Bolsonaro ao retorno da ditadura militar, fato que evidencia o desespero de um governo autoritário, acéfalo e sem rumo!

Não bastasse ter descumprido, mais uma vez, no último domingo, as medidas de isolamento social no Distrito Federal (medida adotada por decreto do Governador), Bolsonaro não apenas insuflou pessoas a descumprirem a quarentena de combate à covid-19 – colocando em risco de contaminação todos/as que se aglomeraram em frente ao Quartel General do Exército –, como também tratou de investir contra o Estado Democrático de Direito, ao qual prometeu respeitar e zelar em seu juramento de posse na Presidência da República.

Diante de tamanhas irresponsabilidades e inconsequências, não há como deixar de exigir dos Poderes constituídos e que têm por obrigação exercer os Freios e Contrapesos no regime democrático de nossa República, que ajam no sentido de afastar imediatamente Bolsonaro da Presidência da República, assim como seu Vice-Presidente oriundo da caserna, devendo-se convocar novas eleições no prazo de 90 dias, à luz dos preceitos constitucionais que regem a vacância dos mandatários da Presidência da República.

A democracia e o povo brasileiro não suportam mais tanta desfaçatez.

Fora Bolsonaro e todo seu governo inepto!

Brasília, 20 de abril de 2020
Diretoria da CNTE

Compartilhe

Deixe uma resposta