Crise X Resistência

O SINPROJA passou por uma semana de grandes atividades de luta. Com a categoria em GREVE, desde o dia 21/05, realizou mobilizações nos locais de trabalho, assembleias, atos públicos nas ruas e no Complexo Administrativo da Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, com repercussão  nas redes sociais e emissoras de rádios.

 

A adesão ao movimento paredista vem crescendo, apesar da aparência de normalidade de algumas escolas, causada pelo grande número de contratos temporários,  demonstrando a terceirização e a precarização do serviço público no município. A categoria tem recebido apoio e solidariedade de entidades como a CNTE, a CUT, o SINTEPE, entre outras.

 

A população percebe que a educação não é  prioridade no governo do prefeito Anderson Ferreira, sabe dos prejuízos ao futuro de seus filhos/as, causados pelo descaso e reconhece o grande esforço da luta dos/as trabalhadores/as em educação da rede municipal.

 

Até o momento, o prefeito ainda não apresentou proposta de reajuste salarial e, por isso, a GREVE continua! O descaso só tem acirrado o embate. Cada vez mais, companheiros/as aderem ao movimento como forma de expressar a indignação. Próxima assembleia será terça feira, 28/05, às 14h, no Clube dos Ferroviários. Sigamos firmes na luta, que a vitória será de todos e todas.

 

Representantes da base e da direção do SINPROJA  participaram da I Conferência Nacional Popular de Educação-CONAPE, em Belo Horizonte- MG. Entre os dias 24 e 26, a capital mineira reuniu educadoras e educadores, militantes de entidades comprometidas com a defesa e a promoção do direito à educação pública, gratuita, laica e de qualidade para todo cidadão e para toda cidadã. Foi um espaço de resistência ao golpe que a educação vem sofrendo desde 2016, realizado pelo governo ilegítimo de Michel Temer e seus aliado/as.

 

Nestes três dias da CONAPE,  aconteceram apresentações culturais e acadêmicas, exposições, mostras, debates, palestras, mesas, painéis, plenárias e reuniões,  transformando Belo Horizonte em uma capital dedicada à educação.

 

A abertura do evento ocorreu com uma grande marcha pelas ruas da cidade com homenagens ao presidente Lula, cuja culminância contou com a participação da presidenta legítima Dilma Rousseff. A Conferência foi palco também do lançamento da campanha “Apagar o professor é apagar o futuro”. O encerramento ocorreu com uma grande plenária de construção de propostas para a educação e de um plano de lutas. Houve aprovação de manifesto e moções, que farão parte do documento que será apresentado às escolas  públicas, aos  governos, aos parlamentares e à sociedade.

 

Os participantes da Plenária Final acataram, também, uma questão de ordem apresentada por uma professora, acrescentando Lula Livre ao nome da Conferência, que simboliza a luta pela democracia, por justiça, pelos direitos humanos e que a prisão do ex-presidente é arbitrária. Os/as trabalhadores/as em educação decidiram que precisam interferir nas eleições, na composição do Congresso, dos governos, conscientizando a população sobre a importância de que sejam eleitas pessoas comprometidas com o direito humano à educação.

 

O SINPROJA reconhece que o caos não é exclusividade da educação. O Brasil vive uma conjuntura de crise e de resistência, com destaque, nos últimos dias, para a paralisação dos caminhoneiros, que fazem justas reivindicações: redução dos preços dos combustíveis e do gás de cozinha, manutenção dos empregos e retomada da produção interna de combustíveis, fim das importações da gasolina e outros derivados de petróleo, contra as privatizações e desmonte do Sistema Petrobrás, Redução das Tarifas de Energia Elétrica, Isenção de Pedágio para eixos suspensos, Piso Mínimo Nacional para o Frete.

 

Este movimento chama a atenção pela unidade da categoria, que mesmo causando dificuldades de abastecimento e de mobilização, recebe apoio da população, que compreende que também será beneficiada com a luta, apesar dos transtornos imediatos.

 

O Governo Ilegítimo, após a implantação do Golpe contra a democracia, atuou  firmemente pela retirada de direitos, pela redução dos investimentos na educação e pelo aumento do custo de vida. A Federação Única dos Petroleiros-FUP, fará greve de advertência de 72 horas, a partir do dia 30/05, pela redução do preço do gás de cozinhe e dos combustíveis. A CNTE e suas afiliadas, entre elas o SINPROJA, apresentam solidariedade e chamam a população para se juntar nesta luta que é de todos/as.

 

SINPROJA: 25 ANOS DE LUTA. EM DEFESA DA EDUCAÇÃO JABOATONENSE

 

Compartilhe